Agende e consulte com especialistas mais próximos de você

Destaques da revista

28/07/2014 00:00

Osteoporose Saiba se os ossos estão resistentes, se estão sendo bem cuidados e como prevenir a osteoporose.

O osso é a principal fonte de sustentação do corpo. É responsável por proteger os órgãos vitais, como coração, pulmões e encéfalo. É também responsável pela produção das células sanguíneas. Dentre as doenças ósseas, está a osteoporose. Ela se desenvolve devido a falta de cálcio no organismo, o que diminui a massa óssea, fazendo com que os ossos se desenvolvam totalmente ocos, finos e super sensíveis, podendo se quebrar inclusive sem a ocorrência de queda ou pancada.
A doença se desenvolve ao longo do tempo, e muitas vezes somente é percebida quando ocorre alguma fratura.
Sintomas

Por ser uma doença silenciosa, não existem sintomas. Pode ser percebida por alguns sinais, devido à ‘porosidade’ e desgaste ósseos e a facilidade de fraturas. As fissuras nos ossos da coluna podem causar dores, e deformidades, levando até uma diminuição da estatura da pessoa.
Outro sinal para perceber a osteoporose é a fratura do colo do fêmur (aquela parte do osso da coxa que liga à bacia), que pode ser quebrada apenas numa pisada em falso, se a pessoa já estiver num estado avançado da doença.
Os ossos do punho e da costela também são facilmente atingidos.

Causas

Diversos fatores podem causar a osteoporose, os principais são: Menopausa, idade avançada, um histórico familiar de osteoporose, um físico magro, baixa ingestão de cálcio, diabetes, falta de exposição ao sol, sedentarismo, hábito de fumar, consumo de álcool, cafeína ou doenças crônicas.
É uma doença que pode atingir qualquer pessoa, porém o risco é maior entre as mulheres, pois possuem ossos mais finos e mais leves, e por passarem pelo período da menopausa. Essa fase provoca alterações no ciclo de remodelação óssea, que basicamente é a troca de osso velho por osso novo. Com a falta de hormônios nesse período, a perda de osso velho é maior do que a formação de osso novo.
A doença também pode afetar adolescentes. Apesar de ser raro, pode ocorrer em jovens que tenha uma doença crônica, e que alguns medicamentos utilizados no tratamento enfraqueçam os ossos, gerando assim a osteoporose secundária.


Diagnóstico

Para facilitar o diagnóstico, é importante que o paciente procure um médico quando houver uma suspeita da doença, ou no caso de mulheres que entraram na menopausa e homens com mais de 70 anos. Nesses casos, o médico fará uma análise clínica e caso ache necessário, solicitará um exame de densitometria óssea.

Tratamento

Para ajudar a tratar a doença é preciso praticar exercícios físicos e evitar o consumo de fumo, café e álcool. E deve-se principalmente aumentar o consumo de cálcio e vitamina D, através de uma dieta alimentar ou do uso de medicamentos. Tudo isso aliado a um acompanhamento profissional.

Cálcio e Vitamina D

Os dois agem juntos com o objetivo de fortalecer o esqueleto. A vitamina D ajuda a regular a quantidade de cálcio dos ossos. O cálcio é encontrado em alimentos, como derivados de leite, porém, pode ser preciso a suplementação através de compostos vitamínicos. A vitamina D também é muito importante para que o organismo absorva esse cálcio, e sua produção é estimulada pela exposição solar. É aconselhável até por volta dos 60 anos, tomar de 15 a 20 minutos por dia de sol em superfícies como os braços e as pernas.

Profissionais

Reumatologistas, endocrinologistas, ginecologistas, fisiatras e geriatras são alguns especialistas que estudam e tratam a doença. Os ortopedistas também acompanham esses pacientes, ocupando-se principalmente das fraturas.

Prevenção

A prevenção é de extrema importância, e ela pode começar já na infância, através de uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos. Nessa fase os ossos ainda estão em formação. Para acumular bastante massa óssea, a criança deve ter uma dieta rica em cálcio, tomar sol e praticar atividades físicas.
Perto dos 30 anos, atinge-se o pico de massa óssea, que fica estocada até o envelhecimento. Depois disso é só manter praticando exercícios físicos, alimentação correta e exposição ao sol, para manter a qualidade da massa óssea adquirida.


Os cuidados com os pacientes com osteoporose são os seguintes:
• Exame oftalmológico regular
• Usar sapatos com sola antideslizante
• Tapetes presos no chão
• Evitar pisos muito encerados ou molhados
• Consuma verduras de folhas escuras, como brócolis, espinafre e couve
• Evite carne vermelha, refrigerante, café e sal
• Exponha-se ao sol de forma moderada.
• Não fume e evite o consumo excessivo de álcool
• Independente da idade, inicie um programa de exercícios
• Obstáculos como móveis, tapetes soltos e pouca iluminação, podem facilitar quedas e, consequentemente, provocar fraturas em pessoas com osteoporose.
• A mesa de cabeceira deve ser 10 centímetros mais alta do que a cama e com bordas arredondadas. Se possível, fixe-a no chão ou na parede, evitando que se desloque caso a pessoa precise se apoiar nela
• Sempre que possível, instale os interruptores de luz próximos à cama ou adote um abajur
• Prefira pisos antiderrapantes para áreas molhadas (como box e corredores)
• O corrimão das escadas deve ter uma altura média de 80 cm e os degraus das escadas devem ser marcados com fitas antiderrapantes.

 

O osso é a principal fonte de sustentação do corpo. É responsável por proteger os órgãos vitais, como coração, pulmões e encéfalo. É também responsável pela produção das células sanguíneas. Dentre as doenças ósseas, está a osteoporose. Ela se desenvolve devido a falta de cálcio no organismo, o que diminui a massa óssea, fazendo com que os ossos se desenvolvam totalmente ocos, finos e super sensíveis, podendo se quebrar inclusive sem a ocorrência de queda ou pancada.
A doença se desenvolve ao longo do tempo, e muitas vezes somente é percebida quando ocorre alguma fratura.
Sintomas

Por ser uma doença silenciosa, não existem sintomas. Pode ser percebida por alguns sinais, devido à ‘porosidade’ e desgaste ósseos e a facilidade de fraturas. As fissuras nos ossos da coluna podem causar dores, e deformidades, levando até uma diminuição da estatura da pessoa.
Outro sinal para perceber a osteoporose é a fratura do colo do fêmur (aquela parte do osso da coxa que liga à bacia), que pode ser quebrada apenas numa pisada em falso, se a pessoa já estiver num estado avançado da doença.
Os ossos do punho e da costela também são facilmente atingidos.

Causas

Diversos fatores podem causar a osteoporose, os principais são: Menopausa, idade avançada, um histórico familiar de osteoporose, um físico magro, baixa ingestão de cálcio, diabetes, falta de exposição ao sol, sedentarismo, hábito de fumar, consumo de álcool, cafeína ou doenças crônicas.
É uma doença que pode atingir qualquer pessoa, porém o risco é maior entre as mulheres, pois possuem ossos mais finos e mais leves, e por passarem pelo período da menopausa. Essa fase provoca alterações no ciclo de remodelação óssea, que basicamente é a troca de osso velho por osso novo. Com a falta de hormônios nesse período, a perda de osso velho é maior do que a formação de osso novo.
A doença também pode afetar adolescentes. Apesar de ser raro, pode ocorrer em jovens que tenha uma doença crônica, e que alguns medicamentos utilizados no tratamento enfraqueçam os ossos, gerando assim a osteoporose secundária.


Diagnóstico

Para facilitar o diagnóstico, é importante que o paciente procure um médico quando houver uma suspeita da doença, ou no caso de mulheres que entraram na menopausa e homens com mais de 70 anos. Nesses casos, o médico fará uma análise clínica e caso ache necessário, solicitará um exame de densitometria óssea.

Tratamento

Para ajudar a tratar a doença é preciso praticar exercícios físicos e evitar o consumo de fumo, café e álcool. E deve-se principalmente aumentar o consumo de cálcio e vitamina D, através de uma dieta alimentar ou do uso de medicamentos. Tudo isso aliado a um acompanhamento profissional.

Cálcio e Vitamina D

Os dois agem juntos com o objetivo de fortalecer o esqueleto. A vitamina D ajuda a regular a quantidade de cálcio dos ossos. O cálcio é encontrado em alimentos, como derivados de leite, porém, pode ser preciso a suplementação através de compostos vitamínicos. A vitamina D também é muito importante para que o organismo absorva esse cálcio, e sua produção é estimulada pela exposição solar. É aconselhável até por volta dos 60 anos, tomar de 15 a 20 minutos por dia de sol em superfícies como os braços e as pernas.

Profissionais

Reumatologistas, endocrinologistas, ginecologistas, fisiatras e geriatras são alguns especialistas que estudam e tratam a doença. Os ortopedistas também acompanham esses pacientes, ocupando-se principalmente das fraturas.

Prevenção

A prevenção é de extrema importância, e ela pode começar já na infância, através de uma alimentação saudável e a prática de exercícios físicos. Nessa fase os ossos ainda estão em formação. Para acumular bastante massa óssea, a criança deve ter uma dieta rica em cálcio, tomar sol e praticar atividades físicas.
Perto dos 30 anos, atinge-se o pico de massa óssea, que fica estocada até o envelhecimento. Depois disso é só manter praticando exercícios físicos, alimentação correta e exposição ao sol, para manter a qualidade da massa óssea adquirida.


Os cuidados com os pacientes com osteoporose são os seguintes:
• Exame oftalmológico regular
• Usar sapatos com sola antideslizante
• Tapetes presos no chão
• Evitar pisos muito encerados ou molhados
• Consuma verduras de folhas escuras, como brócolis, espinafre e couve
• Evite carne vermelha, refrigerante, café e sal
• Exponha-se ao sol de forma moderada.
• Não fume e evite o consumo excessivo de álcool
• Independente da idade, inicie um programa de exercícios
• Obstáculos como móveis, tapetes soltos e pouca iluminação, podem facilitar quedas e, consequentemente, provocar fraturas em pessoas com osteoporose.
• A mesa de cabeceira deve ser 10 centímetros mais alta do que a cama e com bordas arredondadas. Se possível, fixe-a no chão ou na parede, evitando que se desloque caso a pessoa precise se apoiar nela
• Sempre que possível, instale os interruptores de luz próximos à cama ou adote um abajur
• Prefira pisos antiderrapantes para áreas molhadas (como box e corredores)
• O corrimão das escadas deve ter uma altura média de 80 cm e os degraus das escadas devem ser marcados com fitas antiderrapantes.

 


© Copyright 2011
Todos os direitos reservados

 

Fale Conosco

E-mail
meuguiadesaude@gmail.com

Telefones
(65)  98409-0021



Redes Sociais