Agende e consulte com especialistas mais próximos de você

Destaques da revista

17/08/2015 11:19

O que é Disfagia?

 O que é Disfagia???

 A disfagia é a dificuldade da passagem dos alimentos pelo trato digestivo (da boca ao estômago), ou seja, dificuldade de deglutição, podendo acarretar déficits nutricionais e de hidratação ao indivíduo, bem como comprometimento de seu estado pulmonar, podendo culminar em pneumonias aspirativas(que é uma infecção pulmonar causada pela entrada de líquidos, secreções do próprio corpo ou outras substâncias por meio da via área superiores ou do estômago para dentro dos pulmões).A disfagia é uma condição comum em pacientes com doenças neurológicas (derrame cerebral, Parkinson, paralisia cerebral)e também em pessoas com alterações locais obstrutivas, como os tumores do esôfago ela  pode ocorrer também em pessoas com Doenças de Chagas e que sofreram a ingestão de soda caustica (seja de forma acidental ou por tentativa de suicídio).O diagnóstico e o tratamento são realizados por uma equipe multidisciplinar formada por fonoaudiólogo e otorrinolaringologista.

A disfagia pode ser dividida em dois tipos:

A disfagia orofaríngea também pode ser denominada disfagia "alta" pela sua localização. Os pacientes tem dificuldade de iniciar a deglutição e geralmente identificam a área cervical com o problema.

A disfagia esofágica também pode ser denominada disfagia "baixa", referindo-se a uma provável localização no esôfago distal, ela se caracteriza pela obstrução da passagem do bolo alimentar do esôfago para o estômago.

Sintomas

O paciente podem apresentar uma regurgitação nasal e tosse durante a deglutição, como resultado de uma anormalidade na transferência do bolo alimentar da cavidade oral para o esôfago. Freqüentemente existem outros sinais de algum distúrbio neurológico associado, mesmo que sutil. A presença de dor sugere a coexistência de outro sintoma: a odinofagia. A disfagia pode afetar criançasadultos e idosos, sendo mais comum nesta última faixa etária devido a maior prevalência das doenças causais. Os pacientes com comprometimento da mobilidade esofágica podem apresentar dor torácica e executar manobras, como deglutir repetidamente e a valsalva, que alivia a disfagia.

Causas

As causas incluem a obstrução mecânica e os distúrbios na mobilidade dos músculos da cavidade oral, da faringe ou esôfago. É útil distinguir a disfagia causada por doenças que afetam a orofaringe daquela que é devida a distúrbios esofágicos. Tipicamente, a obstrução mecânica é caracterizada inicialmente pela disfagia a sólidos e a orofaringea predomina a dificuldade de deglutir líquidos. A causa pode estar associada a doenças neurológicas e distrofias musculares.

Como é a avaliação e tratamento fonoaudiológico na Disfagia

O papel do fonoaudiólogo consiste em identificar possíveis alterações de deglutição que possam vir a causar riscos e complicações ao paciente e intervir o mais precocemente possível visando o restabelecimento de uma alimentação segura ao paciente. O diagnóstico da disfagia é feito através da avaliação clínica e instrumental da deglutição, ambas de fundamental importância. Na avaliação clínica, o fonoaudiólogo deve observar o nível de alerta e cognição, a estabilidade hemodinâmica, a comunicação, audição, estado nutricional e autonomia do paciente. A avaliação clínica compreende ainda a avaliação de mobilidade, força e sensibilidade do complexo orofacial, além da avaliação funcional da deglutição, deglutição de saliva e oferta de alimentos por via oral, quando possível, nas consistências líquida, pastosa e sólida. Esta avaliação é importante na determinação de recomendações necessárias à alimentação segura, para que não haja risco de aspiração (quando o alimento vai erroneamente em direção aos pulmões, podendo provocar pneumonias aspirativas) além de estratégias de reabilitação. A avaliação instrumental é feita por meio dos exames de videofluoroscopia e videoendoscopia da deglutição. Ela complementa a avaliação clínica e deve ser solicitada sempre que o profissional tiver dúvidas a respeito do diagnóstico do paciente. Ambos os métodos detectam as alterações anatômicas e funcionais da deglutição, auxiliando assim na delimitação de um plano terapêutico para a reabilitação da deglutição.


© Copyright 2011
Todos os direitos reservados

 

Fale Conosco

E-mail
meuguiadesaude@gmail.com

Telefones
(65)  98409-0021



Redes Sociais